Andamento?

Andamento?

O que significa?

 
Por Jacira Omena*

Recentemente escrevi perguntando – COMO VOCÊ ESCOLHE O SEU CAVALO?

 De uma forma maciça e quase unânime a resposta foi – ANDAMENTO – ou algo que representava isso. Como, comodidade, conforto, marcha, maciez, etc. 

 O que quer dizer – andamento? 

– O que faz o cavalo ser macio e confortável?

– Quais as raças de cavalo que têm essa marcha confortável?

– Existe uma marcha ideal?

 Vamos começar a responder a primeira pergunta – O que quer dizer a palavra “Andamento”?

 Andamento é a forma como o cavalo se desloca. 

 Quando o cavalo sai do Passo (praticamente igual em todas as raças), ele progride para o Trote ou para a Marcha.

 A partir daí, existe uma variação de tipos de trotes e marchas

Vejam o que escrevi no meu livro – VIAJAR A CAVALO: UM GUIA PASSO A PASSO – sobre o assunto: 

viajar-a-cavalo-livro

 Dentre tantos aspectos a serem avaliados na escolha do cavalo, na minha opinião, esse é um dos mais importantes para quem vai se deslocar por horas e dias consecutivos. O tipo de andamento é determinado, entre outras coisas, pelo fator genético, neurológico, anatômico, maturidade, condicionamento físico, treinamento, ferradura, e a forma como o animal é montado.  Os cavalos têm quatro formas naturais e distintas de movimento que os habilita a se deslocar por todo tipo de terreno, conforme descrito:

Passo (Walk) – natural, quatro tempos, marchado, e de baixa velocidade.

Trote (Trot) – natural, dois tempos, saltado, e de média velocidade.

Galope Controlado (Canter) – natural, três tempos, saltado, e de média velocidade.

Galope Pleno (Gallop) – natural, três a quatro tempos saltados, e de alta velocidade.

 Também são encontrados outros tipos intermediários e especializados de movimentos. Esses ocorrem quando os cavalos saem do passo, igual em todas as raças, para um movimento mais rápido que esse. Uns saem do passo para o trote (TROT), e outros para o chamado passo rápido ou marcha (EASY GAIT/SOFT GAIT/SADDLE GAIT/GAITTED). E a partir daí, ainda existem variações dentro dessas definições. Como, TROTE– de trabalho, reunido, médio e estendido; e, MARCHA – batida clássica, centro/intermediária, picada, e marcha trotada.

Para o viajante a cavalo interessa identificar qual delas oferece mais comodidade durante os deslocamentos e quais raças estão mais associadas a determinados tipos de andamento.

Então, de acordo com o tipo predominante de andamento, podemos simplificar agrupando os animais em Trotadores (Trotters) e Marchadores (Gaited). 

TROTADORES (TROTTERS)

 Os animais que têm essa característica movimentam-se, preferencialmente, em diagonal – levanta ao mesmo tempo uma mão de um lado e o pé do outro – pula e troca a passada. Durante esse procedimento, ocorre uma suspensão seguida do impacto do contato das patas do cavalo no chão, e simultaneamente, o cavaleiro sente um atrito vertical. Algumas raças de animais como o Andaluz e o Lusitano praticam uma variação do trote – trote bem articulado – onde a maior flexibilização das articulações dos membros produz um melhor amortecimento do impacto produzido pelo atrito vertical. Alguns se referem a esse tipo de trote como Trote Marchado. 

Alguns exemplos de raças onde, os animais têm como andamento predominante o trote:

– TROTADORES (TROTTERS) – Paint Horse, Quarto de Milha, Appaloosa, Árabe, Morgan, Mustang, Welsh Cob, Standardbred, Trakehner, Friesen, Thoroughbred (PSI), Andaluz, Lusitano, Brasileiro de Hipismo, Bretão, Crioulo, Poney Brasileiro.

 MARCHADORES (GAITED) 

São aqueles que ao saírem do passo para um movimento intermediário apresentam em sua dinâmica de locomoção características bem definidas – movimenta cada um de seus membros alternadamente com apoios suaves de cascos e, com pelo menos um deles no chão. Portanto, diferentemente do trote, não há suspensão, nem aterrizagem. Dentre as variações de marchas, a Picada e a de Centro são as consideradas as mais cômodas e macias e muito recomendadas para cavalgadas e passeios, principalmente, para pessoas menos experientes, por provocar menos instabilidade. A Marcha Trotada já foi bastante controversa, mas definitivamente aceita como uma modalidade de marcha. Algumas das excelentes raças para Viajar a Cavalo têm esse tipo de marcha.

 Alguns exemplos de raças onde, os animais tem como andamento predominante a marcha:

 – MACHADORES (GAITED) – Mangalarga Machador, Mangalarga, Campolina, Piquira, Campeiro, Pampa, Paso Fino, Paso Peruano, Tennessee Walking Horse, Kentucky Mountain Saddlehorse, Missouri Fox Trotter, Rocky Mountain Horse, Spotted Saddle Horse, Icelandic Horse e Marwari Horse.

Aqui, como nos outros aspectos avaliados, a questão não é de um tipo ser melhor ou pior que o outro e, sim de uma necessidade e/ou preferência pessoal. 


 TIPOS DE ANDAMENTO/MARCHA

 Veja as definições por LÚCIO ANDRADE!
 
Marcha Trotada: Observar o sincronismo perfeito na movimentação dos bípedes diagonais. Os tempos de suspensão, necessários para as trocas dos apoios bipedais diagonais, são mínimos. Ao contrário, no trote convencional, estes tempos de suspensão dos quatro cascos no ar são bem definidos. nas marchas trotadas mais cômodas, os tempos de suspensão são substituídos por tempos de apoios monopedais ou quadrupedais. 
Trote: Nota-se um sincronismo perfeito no deslocamento dos bípedes diagonais, com momentos de suspensão dos quatro cascos, facilmente identificados a olho nu. Simultaneamente aos impactos dos cascos no solo, o cavaleiro sente um forte atrito vertical. O trote é um andamento perfeitamente simétrico na mecânica de locomoção.
 Marcha batida: Existe um maior predomínio nos tempos de movimentação dos bípedes diagonais (elevação, avanço e apoio) em relação aos tempos de movimentação dos bípedes laterais.  Observar a dissociação entre o anterior esquerdo, na metade da fase de avanço, e o posterior direito, ao final da fase de elevação. Quanto mais cômoda for a marcha batida, maior tende a ser a dissociação entre os membros diagonais, resguardando-se condições favoráveis de aprumos, treinamento e equitação. 
Marcha Picada: O mecanismo é o inverso àquele descrito anteriormente para a marcha batida. Notar que o posterior direito acaba de tocar o solo, sendo seguido pelo anterior direito. Voltando um pouco, seria visualizado um nítido apoio lateral. Quanto maior for a lateralidade, mais próximo o animal estará da andadura, que é um andamento indesejável, de sincronismo perfeito entre a movimentação dos bípedes laterais, provocando sobre o assento do cavaleiro diversos tipos de abalos, ou atritos: verticais, laterais e longitudinais. 
Marcha de Centro: É definida pela nítida dissociação na movimentação dos bípedes diagonais e laterais, dificultando a identificação de um bípede dominante. É uma marcha intermediária, justamente por estar situada em um ponto central, entre a marcha picada e a marcha batida, mantendo uma equidistância dos extremos da andadura e do trote. A marcha de centro é a modalidade que melhor exprime a alternância de deslocamentos na dinâmica de movimentação dos autênticos marchadores. Na verdade a marcha de centro nada mais é do que o passo em velocidade rápida. A sequência e tipos de apoios são idênticos. 

Fontes:

Livro – Viajar a Cavalo: Um Guia Passo a Passo

FOTO LIVRO

MarchadorWeb.com.br – http://www.marchadorweb.com.br/ 

 


 

Anterior Como Saber o Tamanho do Seu Capacete?
Próximo Sela Verde

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Histórias e Tradições Leia e comente!

Estribo

De um simples apoio para o pé a um acessório voltado para a guerra!
Com o pé encaixado no estribo o cavaleiro passou a galopar e a manejar armas ao mesmo tempo.

Sentimentos a Cavalo Leia e comente!

Passeio no Campo

E para onde eles estão indo?
Ah, só podia ser!: a cocheira dos cavalos.
E lá estão eles… sonhando em montar um cavalo e sair desbravando caminhos.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Diferenças no Trabalho Diário com Cavalos – Europa

Temos no Brasil algumas vantagens como mais espaço e mais cavalos, mas estamos longe de alcançar o nível de cultura equestre desses países mais desenvolvidos.
Pelo menos no que se refere ao respeito e ao bem-estar equino poderíamos passar, desde já, a trabalhar para nos igualarmos ou nos aproximarmos a esses países.
Não é preciso ser mais rico. É só uma questão de consciência e de educação equestre.

1 Comentário

  1. Atanazio
    junho 29, 22:01 Reply
    Boa noite, Estou com uma égua de 5 anos e 6 meses, levei pra primeira pista de julgamento e o árbitro achou ela lateral e gangorando, mais ela é um animal muito cômodo de um temperamento excelente e um posterior muito bom. Gostaria de saber como faço para tira um animal do lateral.

Deixe um comentário