Aventura Quimérica

Aventura Quimérica

Fotos: Cedidas pelo autor

 

Por Mozart Brandão Barros*

 

Japaratinga  (AL.) a Porto de Galinhas PE.)

Seis dias. (15 a 20 de março 2012).

Dois cavaleiros e uma amazona. 

Nenhuma cavalgada antes foi tão aventurosa, com tamanhos óbices, afoita, imprevisível, ousada, periclitante e ao mesmo tempo prazerosa e de preciosa beleza. Todo percurso feito à beira mar.

Formamos dois cavaleiros e uma amazona. Eu, e um casal amigo. Três cavaleiros de coragem e três cavalos sem medo. 

Sabíamos que iriamos encontrar dificuldades. Não imaginávamos tantas. Não contávamos com nenhum carro de apoio ou um planejamento logístico. Fizemos na pura aventura. Esquematizamos a primeira dormida, que foi em Japaratinga no dia 15, depois foi a vontade de Deus. Fizemos mais quatro pernoites. 

Só quem conhece equino pode compreender o que é um cavalo atravessar a nado um rio de 946 metros (Tamandaré a Carneiros puxado e atracado em boias).

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Subir em uma jangada, descer escada de dez degraus, acessar ao mar (praia sem acesso) através de uma garagem, entre barcos e carros. Cruzar a casa, passando pela sala de jantar e estar, para finalmente chegar a praia. Entrar e permanecer quieto em um barco de pesca para atravessar um braço de rio.

Subir as escadas de um catamarã de passageiros e lá ficar imóvel (assustado) até a travessia da barra. Passar pelo mar com as ondas batendo nos paredões de amparo das mansões beira mar. 

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Cavalgar em areia fofa, onde as patas afundavam uns 25 cm ou mais. Cavalgar sem saber exatamente onde dormiria, e sem saber quando encontraria alimento para os cavalos.

Cavalgar com trecho de quase quatro horas sem encontrar uma habitação, bar, ou ver ninguém. Tudo isso aconteceu.

Cavalgamos do dia 16 (sexta) ao dia 20 (terça) de março.

Sempre com todo cuidado na integridade física e saúde dos animais. Foram respeitados, referenciados… Heróis.

Outro registro importante e merecido é a confiança do Himalaia (meu cavalo manga larga marchador) em se deixar levar sem hesitação pelo seu dono. Cavalo com cinco anos (adquiri ainda quando era potro) apresenta total confiança em mim.

Fotos: Cedidas pelo autor

Fotos: Cedidas pelo autor

Com muitas emoções chegamos ao nosso objetivo – Porto de Galinhas.

Digo: bravo! Bravo! Bravo!

Foi fantástico, maravilhoso e emocionante.

Cavalgada irreal. Quimérica mesmo!

Arrebatadora experiência.

Anterior Viajar a Cavalo - Aparados da Serra/RS - Filme
Próximo Lições de Vida - LIFE LESSONS

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Raças de Cavalos 1 Comentário

Cavalos Marchadores em Viagens pelo Mundo

Os cavalos marchadores pelas características de seu andamento trazem o conforto e prazer tão associados a esses momentos.

Top 10 – National Geografic

As 10 Melhores Viagens a Cavalo pelo Mundo – National Geografic

Causos & Cavalgadas Leia e comente!

O Uso de Chicote e Esporas

O uso disseminado de artefatos como esporas e chicotes, auxiliares na condução dos cavalos, não confere a eles o certificado de “verdade estabelecida”.
Mozart Barros no seu novo artigo, de forma corajosa, aborda esse assunto.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!