BOTAS – Equipamento ou Peça fashion?

BOTAS – Equipamento ou Peça fashion?

Foto: Jacira Omena

 

Por Jacira Omena*

 

Sei que há muito as botas transcenderam a sua função original de calçado e proteção para os pés durante a lida no campo.  

Da lida, foi para o esporte, que a propagou para a onda festiva, de moda e estilo nos grandes eventos equestres e rurais. 

Foto: cortesia Omar Calçados

Foto: cortesia Omar Calçados

 

É o mundo do hipismo, rodeio e provas de habilidades que ditam a moda. O estilo country saiu do campo e foi parar na passarela e nos palcos da vida com os cantores sertanejos. 

Foto: cortesia promocional

Foto: cortesia promocional

 No dia-a-dia, independente de uma grande fartura de modelos, estilos e materiais, continuam mantendo a principal função original – PROTEÇÃO.

Vejam o que escrevi sobre BOTAS no meu livro – VIAJAR A CAVALO: UM GUIA PASSO A PASSO.


 BOTAS (Boots) – é um equipamento de proteção pessoal, apesar de, muitas vezes parecer um item de moda do vestuário.  

 É muito importante o uso de sapatos apropriados enquanto se lida ou se monta um cavalo. 

Um bom par de botas deve proteger os pés de objetos contundentes e pisadas e evitar que os mesmos deslizem através dos estribos.

Para isso, não pode ser de um material pouco resistente; deve ter um solado aderente e um salto entre 2,5 e 3,5 centímetros. 

As botas de cavalgar diferem em:

MATERIAL 

– são fabricadas em materiais diversos: couro natural, canvas, e sintéticos. Diferem em conforto, durabilidade e cuidados de manutenção.

ESTILO 

WESTERN – tem salto alto e estreito. Parte da frente ligeiramente pontuda e às vezes com ponteira de metal. O solado é tradicionalmente de couro e não de borracha. Não tem cadarço ou fecho. E, com frequência, vem com fivelas e outros adornos. Pode ser de cano longo ou até a altura do tornozelo. São encontradas também com altura de cano até o meio da perna, mas é mais estilo de moda do que de propriedade prática, pois não exerce toda proteção necessária, e impede o uso de perneira. 

INGLÊS – dentro dessa denominação de estilo cabem vários modelos utilizados na prática de equitação em competições e nos momentos de lazer. No turismo equestre, as botas estilo inglês utilizadas são as de salto baixo e mais quadrado. Parte da frente arredondada. Solado de couro ou de borracha, macio e com ligeira aderência. Quando de cano alto, têm fecho na parte detrás ao longo de toda a perna, ou cadarço frontal sobre o peito do pé. As de cano curto, na altura do tornozelo são chamadas de Paddock quando com cadarços frontais; ou Jodhpur as com zíper no peito do pé; e, Chelsea quando com elásticos em ambas as laterais das botas. 

TAMANHO DO CANO 

LONGO – em vários materiais e estilos, as botas de cano longo são utilizadas largamente por oferecerem segurança e proteção. Em algumas atividades que necessitam de maior flexibilidade de tornozelo elas têm uso mais limitado. E, nas viagens, por seu volume maior e necessidade de acondicionamento apropriado são muitas vezes também preteridas. São utilizadas com diversos tipos de calças, mas se adequam melhor às bombachas, Jodhpur* e Breeches**. (Abaixo uma explicação sobre a diferença entre elas) viajaracavalo_horseshop-Bota-de-Couro-Twist-Zip

CURTO – muito versátil dentro de uma gama de atividades. Oferece uma leveza e flexibilidade pedida em muitas práticas equestres. Seu tamanho é muito bem-vindo na hora de empacotar os pertences para se deslocar por trilhas. Porém, não oferece o mesmo grau de proteção de uma bota cano longo e, por isso, é frequentemente utilizada em companhia de perneiras. São combinadas com os mais diversos tipos de calças, sem restrições, à exceção das Breeches**. 

viajaracavalohorseshop-Botina-Instep-marrom

TAMANHO DO SALTO

– tem importância apenas quanto à necessidade de prevenir o deslizamento do pé através dos estribos e, para isso deve ter no mínimo entre 2,5 e 3,5 centímetros.  Já existe no mercado tipos de estribos com mecanismos que evitam esse tipo de evento. Tradicionalmente, os estribos eram fechados na parte da frente por artefatos de couro, tapaderos, o que serviam para o mesmo propósito. 

TIPO DE SOLADO

– são recomendados solados macios e com certa aderência. Solados completamente lisos facilitam a passagem do pé através do estribo na hora de montar e desmontar. Mas, por outro lado, facilita o seu deslizamento completo através dele, principalmente em botas com saltos muito baixos. Além disso, durante as trilhas, muitas vezes há a necessidade de se desmontar para atravessar trechos mais difíceis ou para trazer algum alívio para o cavalo em deslocamentos mais longos; e esse tipo de solado muito liso prejudica o caminhar por esse tipo de terreno pela mais completa falta de aderência.

TIPO DE FECHAMENTO

– algumas botas não trazem nenhum tipo de fechamento, como as do tipo western. E, por isso, devem ser bastante ajustadas para que não dificulte o calçar e descalçar.

Outras têm zíper na parte detrás, ou na lateral, ou ainda na parte frontal. E algumas apresentam cadarços na parte frontal.

A escolha é pelo conforto e facilidade de uso.viajaracavalohorseshop-botina-lace-2

O QUE LEVAR EM CONTA NA HORA DE ESCOLHER E COLOCAR NA MALA?

Na hora de escolher o tipo de bota para levar numa viagem a cavalo, o mais importante é que não seja nova, que seja sua, que seja leve, que tenha o salto e solado apropriados e que não sejam muito largas para os estribos.

Pense no conforto, mas antes de tudo na segurança.

E devido a isso, apesar de lógico, vale a pena lembrar que alguns tipos de sapatos não são recomendados e devem passar longe dessa atividade. 

Como é o caso das alpargatas, botas de saltos muito altos, sandálias, tamancos, sapatos de borracha para jardim, tênis e sapatos para corrida. 

Botas pesadas de escaladas e coturnos também não são adequados. 


*JODHPUR E BREECHES** –  Ambas são calças de montaria (CULOTE), confeccionadas com um tecido que garante flexibilidade (Lycra® ou Spandex®) e resistência. O intuito é  permitir que o cavaleiro e amazona montem o seu cavalo de forma confortável e segura.

São iguais e apenas se diferenciam no seu comprimento final ao longo da perna. A primeira (JODHPUR) acaba na altura do tornozelo e a segunda (BREECHES) no meio da perna ou logo após o joelho.
Com a Jodhpur pode-se utilizar botas de cano curto ou longo, como preferir. Mas com as Breeches se utiliza apenas botas de cano longo.
MAIS DETALHES EM FUTURAS PUBLICAÇÕES OU NO LIVRO – VIAJAR A CAVALO: UM GUIA PASSO A PASSO.

 Fonte: LIVRO – VIAJAR A CAVALO: UM GUIA PASSO A PASSO. Autora: Jacira Omena

Anterior As Viagens a Cavalo são Caras?
Próximo Cinco Rédeas da Equitação

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 199 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Guias e tutoriais Leia e comente!

Quem Faz Viagem a Cavalo?

Para fazer esse tipo de viagem, antes, a pessoa tem de gostar de viajar. De todos os tipos de viagens. Tem de ter curiosidade sobre a vida, cultura e história em geral.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Ser Dono de um Cavalo – 10 Benefícios para a Saúde

Ter um cavalo pode ser muito emocionante e gratificante. Os principais benefícios de ter um cavalo são companheirismo, lazer e relaxamento, mas muitas pessoas muitas vezes não percebem os benefícios de saúde que podem ser obtidos ao se ter um cavalo.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Dalahorse – O Cavalo Símbolo da Suécia

O Dalahorse ou cavalo de Dalarna (província da Suécia) nasceu em pequenas cabanas ao redor do fogo em noites longas de inverno intenso no interior da Suécia há 400 anos. Cavalos eram talhados em madeira com pequenas facas como brinquedos de crianças. A imagem do cavalo sugeria força e coragem.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!