Caminho dos Diamantes – A Rotina

Viajar a cavalo contando histórias

Por Leonardo Letra

Cavalgar, há muito, tornou-se para mim um caminho que conduz a mais profunda paz íntima.

Decidi percorrer os principais caminhos reais do país e parti de Diamantina montando Bolero do Oeste Minas da raça Campolina rumo a Ouro Preto e percorreria ao todo 18 cidades do Caminho dos Diamantes.

Pelos caminhos da Estrada Real deparei-me com paisagens inimagináveis. Viajar de qualquer forma é muito bom e faz muito bem, mas viajar a cavalo é infinitamente melhor e só quem investir nesta experiência compreenderá bem o que afirmo.

Rotina de viagem

Percorria em média 35 km e tinha que interpretar corretamente os marcos que indicam a direção, chegar a cavalo locais onde deveria carimbar o passaporte do IER para garantir o certificado de conclusão dos caminhos, registrar a viagem, conseguir permissão de escolas para contar histórias para as crianças e apresentar o cavalo e ainda encontrar criadores de cavalo das cidades visitadas para garantir pouso e trato para o cavalo.

Harmonia e Fé

Imensa fé conduzia-me cidade após cidade sobre o dorso de meu cavalo e juntos presenciaríamos inúmeras demonstrações de entusiasmo e espanto com a simplicidade e ousadia de nossa jornada. A generosidade e encantamento daqueles que nos receberam reforçara em mim a crença de que ainda viveremos em plena harmonia uns com os outros e de que aquele que é fixo tem sempre enorme admiração por aquele que vai.

Apenas um cavalo

É comum em cavalgadas de longa distância ter um animal de estepe, assim como carro de apoio, porém, decidi transpor mais este obstáculo e tornar meu cavalo Campolina o primeiro e único a percorrer cerca de 2000 km sem revezamento de animal, obviamente sem abrir mão do bem-estar animal, aliás, não me lembro de fazer qualquer coisa por mim sem antes vê-lo em local adequado, bem alimentado e em condições apropriadas ao descanso e refazimento.

A Traia

Usei uma sela Australiana e levava em meu alforje uma garrafa com 500 ml de água, lanterna, itens para higiene pessoal e somente uma troca de roupa.

O Caminho dos Diamantes

O caminho dos Diamantes foi sem dúvida o mais difícil dos quatro que percorri. Dos 395 km / 178,3 são de subidas e descidas sendo 26% de asfalto, 0,5% de trilhas e 73,5% de estradas de terra divididos em 18 planilhas na companhia da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço e de suas paisagens exuberantes. 

No próximo artigo contarei um pouco sobre as pessoas que encontrei pelo caminho como pude contar com elas.

Esteja conosco, sempre!

Anterior Repouso na preparação física do cavalo atleta
Próximo Sharma Gaponoff - Tevis Cup

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Viajar a Cavalo – África do Sul

Viajar a Cavalo na África do Sul é voltar a origem. Observar a natureza fazendo parte dela, de um lugar muito privilegiado, de cima do cavalo.

Wyoming – Terra dos Cavalos Mustang

Esta é a última espécie de cavalos selvagens do continente Americano, e por isso estes cavalos estão protegidos pela lei de estado. Maltratar ou matar um Mustang constitui uma infracção federal nos EUA.

Viagem a Cavalo Leia e comente!

Tipos de Viagem a Cavalo

Quando entramos no universo de operadores de viagens, uma linguagem muitas vezes estranha, mas comum entre eles, passa a fazer parte da vida daqueles que fazem uso de seus serviços.
Portanto, acho útil a familiarização com alguns termos e também a forma como eles denominam e agrupam cada tipo de viagem.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!