Comida de Viajar a Cavalo – Feijão Tropeiro

Comida de Viajar a Cavalo – Feijão Tropeiro

Estrada Real a Cavalo

 
Por Jacira Omena*

Sou boa de boca, ou melhor, de garfo.

Em todas as minhas viagens termino por “enfiar o pé na jaca”.

Bom, vou parar de fazer trocadilhos senão fica difícil de continuar a escrever (tá dando fome).

A última Viagem a Cavalo que fiz, passei por trechos da Estrada Real, no Sul de Minas Gerais.

Minas é conhecida por sua excelente culinária, e vários pratos a mesa dos brasileiros tiveram origem naquele estado. E muitos fazem parte da história de nossa colonização.

O meu ponto de partida foi a Fazenda Roseta, antiga casa de morada da família do Barão Maciel, e sede de uma sesmaria de 1738. A cultura tropeira está impregnada por todas as instalações e na proposta de hospitalidade da fazenda.

Tropeiro

Foto: Jacira Omena

018-019-018-viajaracavaloestraareal (28)

Foto: Jacira Omena

Foto: Jacira Omena

Foto: Jacira Omena

tropeiro

Foto: Jacira Omena

Chegando lá, depois de algumas horas de deslocamento de carro, fui recebida para almoçar, e olha o que escrevi no meu diário de viagem:

Pois bem, esse texto que hoje escrevo tem a ver com uma dessas delícias listadas acima:

O Feijão Tropeiro

Depois de cavalgar seguidamente por umas 3 horas, logo na minha primeira manhã do primeiro dia de minha viagem a cavalo, parei para almoçar no pouso da Fazenda Ventura. E lá me esperava uma “matula” vinda da Fazenda Roseta. Dentro dela? Um perfumado Feijão Tropeiro. Márcio, o seu portador, depois de ver o entusiasmo com que eu comia, sem querer querendo, e com uma grande dose de espontaneidade, alertou – “outro dia comi tanto dessa comida que fiquei “embuchado”!

viajar a cavalo estrada real

Foto: Jacira Omena

Não! Não fiquei! Mas não deixei de brincar com o Márcio durante toda viagem por causa disso.

Mas, poderia! O Feijão Tropeiro é um prato de “resistência”, com bastante “sustância”.

Tem a sua origem no século 17, quando do Ciclo do Ouro nas terras das Gerais. Temendo a concorrência de mão de obra para o minério, a Coroa Portuguesa, praticamente, proibiu a exploração da agricultura naquelas terras. Alimentos transportados por tropeiros e oriundos de todo país chegavam a Minas Gerais para alimentar os que trabalhavam nas minas e na busca de ouro e pedras preciosas. O trabalho era muito duro.

Tanto durante o trabalho como no transporte, não havia tempo nem estrutura para uma comida mais elaborada. Além disso, muitas formas de preservação dos alimentos, muito comuns hoje, não existiam naquela época. Daí, surgiu um prato completo, rico em calorias, não perecível e com muitos sabores.

O feijão tropeiro não é exclusivo de Minas Gerais, sendo um “prato” tropeiro, ocorre em todo sul, Centro-Sul e Sudeste. Mas, é em Minas que ele se exibe em sua melhor forma.

Vamos parar de conversa e passar a receita!

Compartilho essa receita da página – Gordelícias – http://gordelicias.biz/

Receita de Feijão Tropeiro

Ingredientes
  • 500g de bacon ou toucinho defumado picado
  • 8 ovos
  • 4 dentes de alho amassados
  • 1 cebola média picadinha
  • 500g de feijão roxo cozido “al dente” e sem o caldo 
  • 50g de farinha de mandioca crua
  • Sal a gosto
  • Cheiro verde picadinho a gosto
  • 1 maço de couve manteiga picada
  • Pimenta-do-reino branca (1 ou duas pitadas)
  • Manjericão (folhas inteiras a gosto)
  • Sal a gosto
Como fazer

Passo 1 – Numa frigideira, frite o bacon até dourar, sem deixar queimar (mais ou menos uns 10 minutos em fogo baixo). Retire o bacon da frigideira, escorrendo a gordura. Reserve parte dessa gordura na frigideira.

Passo 2 Na mesma frigideira com parte da gordura ainda quente, vamos fritar os ovos. Quando começarem a endurecer, corte com uma espátula em pedaços graúdos, cerca de 2cm cada. Depois de fritos, reserve.

Passo 3 – Numa panela, utilize o restante da gordura do bacon para dourarmos o alho e a cebola. Tome cuidado para não queimar esse refogado! Acrescente à mistura o feijão já cozido e o bacon que reservamos no começo. Refogue bem, acertando o sal se necessário.

Passo 4 Retire a panela do fogo e polvilhe a farinha de mandioca até que ela fique úmida. Mexa delicadamente, acrescentando os ovos aos poucos e também o cheiro verde.

Passo 5 – À parte, refogue a couve em uma frigideira, com um pouco de óleo e alho. Salpique por cima do feijão na hora de servir.

Você sabe o que é Sopa Paraguaia?

 

Anterior Manga-Larga Marchador do Brasil - O Livro
Próximo Banners - Escolha o seu!

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Sela & Cia Leia e comente!

Qual o Tamanho da Sua Sela?

Não sei vocês, mas tenho uma séria dificuldade em definir se a sela que estou vendo na loja serve para mim ou não. Da mesma forma, quando vejo os tamanhos das selas a venda nas lojas virtuais fico perdida no meio das polegadas.

Ações Sociais Leia e comente!

Associação de Equoterapia Vassoural

Em 2010, foi fundada a Associação de Equoterapia Vassoural (AEV), uma entidade civil, de direito privado e sem fins lucrativos, cujo objetivo era ampliar o número de atendimentos e buscar reconhecimento e apoio junto aos órgãos públicos.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!