Estou Bem para Viajar a Cavalo?

Estou Bem para Viajar a Cavalo?

Arte: Tom Carvalho – Modificação (Jacira Omena)

 

Por Jacira Omena*

 

O quanto bem eu devo estar para viajar a cavalo?

Qual o grau de dificuldade?

O quanto é difícil viajar a cavalo?

Preciso está em grande forma física?

 Não podemos esquecer que passear, cavalgar e principalmente viajar a cavalo é uma atividade física de certa intensidade, e portanto, requer um preparo físico pessoal compatível com o rigor do desafio que nos impomos.

Precisamos estar conscientes de que somos parceiros dos cavalos nessa prática e que ele não é apenas um veículo.

 Quanto maior a nossa capacidade e habilidade física melhor podemos desempenhar as nossas habilidades técnicas.

 O cavalo agradece e você verá que faz, também, toda diferença no seu prazer em cavalgar.

 Vejam o que escrevi sobre isso no meu livro – VIAJAR A CAVALO: UM GUIA PASSO A PASSO. 


 Quais as suas condições físicas?

 Algumas viagens têm programações mais relaxantes e fáceis, enquanto outras são mais extenuantes e exigem mais preparo e resistência física para desempenhar as atividades diárias durante o percurso.

 Durante o processo de escolha da viagem a cavalo, e mesmo na formalização do processo de reserva dela, é inevitável que tenhamos que avaliar:

 – preparo físico;

resistência para atividades;

saúde;

incapacidades variadas;

alguma restrição alimentar;

exigências especiais;

idade.

 O primeiro motivo para que sejamos cuidadosos nesta avaliação é que viajamos para nos divertir.

 Assim, devemos estar cientes que muitos problemas podem ser evitados a partir do momento que nos preparamos para sua possível ocorrência.

 Músculos flácidos cansam muito facilmente. E doem após poucas horas de cavalgada. E dor não combina com diversão. 

Alguns percursos são feitos em lugares remotos e/ou localidades que não têm assistência médica avançada ou da mesma qualidade que estamos habitualmente acostumados.

 O segundo motivo para não superestimarmos nossas condições físicas é o fator segurança.

 A nossa habilidade para controlar o cavalo depende muito de nossa força e forma física.

 Para lidar com um cavalo vigoroso, ou ainda para nos manter em equilíbrio na sela, é necessário que estejamos em boas condições físicas.

A falta desses cuidados prévios pode não só colocar a si próprio em risco, como também o grupo todo.

A melhor coisa que podemos fazer para aproveitarmos o máximo uma cavalgada, com conforto e segurança, é nos apresentarmos em boas condições físicas.

 Atenção deve ser dada para as enfermidades pré-existentes e medicações de uso frequente, bem como para alguns hábitos e restrições alimentares.

 A idade não é um fator restritivo por si só. Muitas pessoas mais idosas matem-se em melhor estado de saúde que outras mais novas.

 A idade tende a deixar nossas pernas mais fracas e a acrescentar peso sobre nossos ombros. Montar e se manter sobre a sela torna-se mais difícil. Para reverter esse cenário, há necessidade de montar com regularidade, manter um peso adequado, e ter pernas com musculatura tonificada e alongada.

 A preparação envolve o reconhecimento de nossas limitações e a escolha de roteiros adequados a elas; assim como, a melhoria ou correção das nossas condições antes de partirmos em definitivo para nossa jornada. 

Vejam algumas respostas de operadoras de viagens a cavalo a essa mesma pergunta? 


“Os passeios a cavalo são para aqueles que já sabem montar, e não para os que querem aprender. Você deve se sentir confortável na sela e capaz de cavalgar de 4 a 6 horas por dia.Informações adicionais estão disponíveis em cada detalhe de viagem e cada uma delas tem um nível de dificuldade de acordo com o esforço físico necessário.
Nós também oferecemos viagens com percursos mais leves.”

Fonte: Chile Nativo

 “Depende do tipo de roteiro selecionado e o número de horas cavalgadas por dia. Se você escolhe um programa que tem uma base centralizada de operação, é possível você ter um dia de folga se você não estiver bem ou cansado. Os programas com percursos de um ponto a outro requerem um maior preparo para cavalgar – mesmo quando o passo não é muito rápido, você pode passar 5 horas na sela. Se você não cavalga regularmente, nós sugerimos que você passe alguns finais de semanas cavalgando ou alguns roteiros de um dia inteiro de cavalgada, para ficar em forma para fazer uma trilha mais longa. É importante cavalgar mais de 4 horas por cada vez, e preferivelmente duas vezes nas semanas antes de sua viagem. Você aproveitará muito mais a sua viagem se estiver em forma.”

Fonte: Unicorn Trails

Anterior Paso Fino - Série 1
Próximo Início do Tropeirismo no Brasil

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Viajes a Caballo

Uma Bíblia que não pode faltar nem na estante dos cavaleiros aprendizes e muito menos nas dos de longo curso!

Textos Editoriais Leia e comente!

Quem Faz Viagem a Cavalo?

Para fazer esse tipo de viagem, antes, a pessoa tem de gostar de viajar. De todos os tipos de viagens. Tem de ter curiosidade sobre a vida, cultura e história em geral.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Viagens ao Nordeste do Brasil

Publicado em Londres(1816), relato do viajante inglês, que foi proprietário de engenho e terras no Brasil, contém valiosas descrições da estrutura sócio-econômica do Nordeste no início do sec. XIX.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!