Existe uma Marcha Ideal?

Existe uma Marcha Ideal?

Foto: Mundo Equino

 

Por Lúcio Sérgio Andrade*

 

M.T.D.A

 

Sim, existe. É a M.T.A .D. – Marcha de Tríplice Apoios Definidos, a qual, com raras exceções, desenvolve-se através de oito apoios em cada ciclo, ou passada – 4 tríplice apoios, 2 apoios duplos laterais e 2 apoios duplos diagonais.

 Esta é a marcha completa, que confere ao cavaleiro, ou amazonas, uma comodidade plena, impessoal. Se não é exatamente a marcha de centro, estará bem próxima, podendo se enquadrar em uma excelente marcha picada ou uma excelente marcha batida. Não importa qual a modalidade. O importante é a ocorrência regular e bem definida dos momentos de tríplice apoios.

 Também é importante a naturalidade, sem interferências de embocaduras, ferrageamento desbalanceado, equitação ou outros artifícios. 

A marcha ideal, assim definida, foi a marcha que deu origem a todas as raças brasileiras de cavalos marchadores e que, na década de 40 do século passado, serviu para distinguir a raça Mangalarga ( paulista ) da raça Mangalarga Marchador ( mineiro ). Todavia, no cenário atual das exposições de cavalos marchadores, após pouco mais de meio século do inicio do SRG – Serviço de Registro Genealógico, conceitos zootecnicamente equivocados têm norteado os resultados de julgamentos. 

A essência da marcha pura está nos tríplice apoios definidos.
Foto: Mundo Equino

Foto: Mundo Equino

A sua ocorrência é a certeza de que há um bom equilíbrio entre os apoios duplos laterais e duplos diagonais e, consequentemente, abalos, ou atritos, mínimos serão transferidos para o cavaleiro, ou amazonas.

 Conceitos inerentes á melhoria de rendimento, impulsão e equilíbrio, quando são aceitos os andamentos mais diagonalizados, não podem ser super valorizados em detrimento do diagrama naturalmente marchado e da comodidade real. Entende-se como sendo comodidade real aquela que é impessoal, quando levamos em conta que um cavalo marchador vem sendo utilizado por uma massa incalculável de usuários, muitos dos quais não têm noção técnica da equitação. 

Estes consumidores, que chamo “de final de semana”, preferem montar em animais de M.T. A.D. porque não conseguem se equilibrar na sela recebendo os atritos verticais de marchas batidas muito firmes, marchas trotadas ou o extremo do trote convencional.
O fato é que discussões em torno de modalidades de marcha somente servem para acirrar as polêmicas.

A marcha ideal, de aceitação universal é a M.T.A .D. – Marcha de Tríplice Apoios Definidos. Se você, leitor, nunca montou em um cavalo portador deste andamento, experimente. Voce sentirá que é algo diferente. 


 *Lúcio Sérgio de Andrade – Zootecnista, escritor, pesquisador, especializado em raças equinas nacionais e internacionais de andamento marchado.

 Contatos[email protected] 

Para compra de livros impressos e digitais, CD, DVD´s, Cursos on line,equipamentos para doma e treinamento de cavalos marchadores: http://www.equicenterpublicacoes.com.br

Anterior Colômbia- Talabarteria
Próximo Colômbia - Minhas compras básicas

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Cavalhadas no Nordeste (Alagoas): uma tradição que resiste ao tempo

Como sabemos são muitas as tradições que envolvem cavalos e cavaleiros, algumas delas vindas de épocas medievais e até hoje muito presentes em festas populares, como é o caso das Vaquejadas e Cavalhadas. O testemunho dos primeiros cronistas aponta as Cavalhadas no Nordeste como os primeiros acontecimentos folclóricos a cavalo, no Brasil.

Indicações da Equoterapia

A Associação de Equoterapia Vassoural (AEV) atende crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos com deficiências adquiridas ou congênitas.
Como Participar do Projeto de Equoterapia da AEV? Como Encontrar e Entrar em Contato com a AEV?

Causos & Cavalgadas Leia e comente!

O Uso de Chicote e Esporas

O uso disseminado de artefatos como esporas e chicotes, auxiliares na condução dos cavalos, não confere a eles o certificado de “verdade estabelecida”.
Mozart Barros no seu novo artigo, de forma corajosa, aborda esse assunto.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!