Friesian – A Raça na África do Sul

Presença holandesa no continente africano

Por Jacira Omena*

Encontrei um exemplar dessa raça em uma recente viagem a cavalo na África do Sul. Fazia parte da tropa, juntamente com outros animais cruzados.

Esse encontro aparentemente inusitado, provocou uma busca maior de informações sobre a raça e sua presença naquele continente.

Foto: Jacira Omena

Foto: Jacira Omena

É originário da Frízia, região localizada no litoral norte da Holanda. Muito popular na Idade média, quase foi extinto no início do século XX.


Curiosidade: A raça foi reconstituída a partir de 3 garanhões que sobreviveram a Primeira Grande Guerra.


Seu porte médio de 1,60 e robustez o vocacionou para tração desde a sua origem. A atrelagem é uma das atividades praticadas com o Friesian.

Seu temperamento dócil e amigável o faz apto para diferentes níveis de adestramento, bem como para a montaria clássica.

O cruzamento com o Andaluz e o Árabe é muito utilizado na produção da versão Friesian mais leve e esportiva.

Friesian na África do Sul

No século 16 os holandeses chegaram a África do Sul através das Companhias das Índias, expulsaram os portugueses que já estavam lá, iniciaram a exploração das terras agriculturáveis em torno da Cidade do Cabo, e tornaram-se os Boers – fazendeiros.

Já em 1880 tinha-se notícias de cavalos estabulados conhecidos como “os cavalos holandeses com penas nos pés”.

Em 1896, têm-se registro de que um membro do parlamento tinha sua carruagem puxada por duas éguas dessa raça.

Durante a Guerra Anglo Boer, entre ingleses e fazendeiros, muitos cavalos foram escondidos, mas isso não impediu que eles saqueassem as fazendas e levassem muitos exemplares de Friesian, tanto égua quanto garanhões. Isso explica a disseminação da raça em toda a África do Sul.

Leia também!
BOERPERD – A RAÇA AFRICANA
Anterior Viajar a Cavalo África do Sul - Filme
Próximo Mangalarga - Mineiro ou Paulista?

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Textos Editoriais Leia e comente!

O Bom de Contar e Ouvir Estórias

A arte de contar história é milenar. E graças a ela temos informações que não poderiam ser transmitidas numa época que não existia papel e/ou ele era muito caro e a escrita exclusividade de alguns.
Geralmente, o dom de contá-las é natural, inato. Mas, requer prática, generosidade e disponibilidade. E antes de tudo, a pessoa que o tem deve achar que cada acontecimento é uma estória, importante para a vida, valiosa e, que portanto merece ser narrada.

Sela & Cia Leia e comente!

Selas – Que tipos?

Que tipos de selas encontramos por aí?
Muitas, diria eu. Quase infinito os tipos de selas que encontramos em cada localidade onde se cavalga. Influências e materiais diversos. Cada uma com sua explicação histórica e de costumes.

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Viagens ao Nordeste do Brasil

Publicado em Londres(1816), relato do viajante inglês, que foi proprietário de engenho e terras no Brasil, contém valiosas descrições da estrutura sócio-econômica do Nordeste no início do sec. XIX.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!