Guaicurús – Os Índios Cavaleiros da América do Sul

Guaicurús – Os Índios Cavaleiros da América do Sul

Foto: Wikipedia – Debret

 

 Nota Editorial:

Os índios Guaicurús – Kadiwéu – foram  exímios cavaleiros e guerreiros, e principais responsáveis pelo Pantanal, hoje, pertencer ao Brasil.

Até o século XVIII, esse território estava em seus domínios, e todos que tentaram ocupá-lo, entre eles o Paraguai, foram duramente rechaçado por eles.

 Veja um pouco dessa história no texto abaixo! 


Guaicurus, os invencíveis índios sul-americanos

 Por Eudes Bezerra

http://www.museudeimagens.com.br/guaicurus-indios/

Por 300 anos, os exímios cavaleiros guaicurus frustraram toda tentativa europeia de conquista do pantanal brasileiro. Conhecendo bem sua região, dispondo de cavalos e armados com armas de ferro, os ameríndios ofertaram brava resistência aos invasores e, por nunca conseguir vencê-los, o Brasil imperial acabou por encerrar séculos de lutas com uma aliança de cooperação.

 São tão soberbos que a todas as nações dos gentios confinantes tratam com desprezo; a todas fazem crua guerra, sendo delas de alguma sorte respeitados e temidos pela vantagem que têm na cavalaria e armas de que usam.” (CASAL, apud: IANSEN, 2014, s/p).

Dominando o Pantanal brasileiro e o Chaco paraguaio, os aguerridos índios guaicurus defenderam seus domínios dos portugueses, espanhóis, brasileiros, paraguaios e tantos outros europeus que tentaram cruzar, explorar e principalmente conquistar suas terras. Suas maiores vítimas, os bandeirantes, sofreram inúmeros e ingratos revezes, de modo à nunca conseguir superar a força indígena.

 As escaramuças entre europeus e índios começaram ainda na primeira parte do século XVI, onde estes teriam tido o primeiro contato com os cavalos trazidos por aqueles. Não se sabe exatamente como os guaicurus adquiriram seus primeiros equinos, mas é contundente afirmar que foi crucial para o avanço da guerra guaicuru. Surpreendentemente, calcula-se que os ameríndios tinham cerca de 8 mil em meados do século XVIII.

 “Ao longo dos séculos 17 e 18, a situação não melhorou para os europeus que tentavam atravessar a bacia do Paraguai. Os cavaleiros guaicurus se aliaram aos paiaguás, que, com suas canoas velozes e remos que viravam lanças, faziam dos rios seu domínio absoluto. A dobradinha passou a prevalecer tanto nas planícies quanto nos rios que as cortavam.” (LOPES, 2005, p. 55)

 No fim do século XVIII, mais precisamente em 1791, o governo português conseguiu um acordo de paz e cooperação com os índios guaicurus, que até na Guerra do Paraguai (1864–1870) viriam a combater como força regular brasileira.

 Além da incapacidade de superar os índios, o motivo do acordo por parte do governo lusitano recaiu sobre a redefinição das fronteiras coloniais com a Espanha, uma vez que ambas as nações iberas desejavam demarcar e povoar seus domínios de modo a preservá-los de agressores estrangeiros.

Anterior Missa e Festa de Vaqueiros de Curaça - BA
Próximo Cavalo Pantaneiro

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Entre Orelhas Leia e comente!

Colômbia – Quase Acabando

Depois de passar por dois distritos de Colômbia, Cudinamarca e Boyaca, estamos no ultimo dia da viagem. Devido a falta de sinal de internet, não foi possível enviar informações dia a dia.

Cavalo Nordestino – História de Resgate de uma Raça

Cresci e me criei aqui no Nordeste tendo contato com uma raça de cavalo que diziam que não tinha raça, ou seja, um cavalo vira-latas. Ainda hoje, no meio de tantas raças mais prestigiadas, continua fazendo parte do meu cotidiano e avistado na cidade puxando carroças, e na zona rural, no trabalho com o gado, no transporte e no lazer de grande parte da população nordestina.

Cavalgada Solitária

Estava me sentindo solitário no meio do mato. Dado momento olho para o lado e vejo a minha sombra e a do cavalo. Parecia um recado, vocês não estão sós, outro cavaleiro está a lhe fazer companhia. Encontra-se ao seu lado para lhe proteger. Tirei a foto.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!