Mangalarga x Mangalarga Marchador

Os vários sotaques da raça

 

Por Jacira Omena*

Diversos textos sobre a história do Mangalarga já foram publicados aqui em viajaracavalo.com.br. A história é longa, não chega numa encruzilhada, mas na bifurcação que origina o aparecimento e distinção de duas raças nacionais irmãs, Mangalarga e Mangalarga Marchador que tiveram o mesmo berço – O Sul de Minas.

Conheça essa história desde o início lendo os textos já publicados:

Mangalarga, Cavalo Nacional – O Início.

Mangalarga e Álter Real

A Origem do Nome Mangalarga

Mangalarga – Mineiro ou Paulista?

Desbravando Novas Fronteiras

Para chegar nessa bifurcação, vamos tomar a estrada que começou com a ida de Francisco Antônio Junqueira, sobrinho do Barão de Alfenas, em 1812, para São Paulo, onde fundou a Fazenda Invernada.

Vários parentes mineiros de Francisco o acompanharam no desbravamento de novas fronteiras agrícolas nos sertões do Rio Pardo. Tropas de cavalo foram levadas dos plantéis mineiros da família para provir as necessidades com a lida do gado e também no lazer praticado na caça do veado. Atividade já comumente praticada no Sul de Minas.

Os cavalos mineiros haviam sido selecionados para ter resistência, rapidez de transporte e comodidade para o trabalho e lazer na região montanhosa do Sul de Minas Gerais. Durante as caçadas, os fazendeiros nos lombos de seus cavalos acompanhavam as perseguições dos cachorros de uma certa distância, no alto de um morro.

Já no estado de São Paulo, a topografia era plana e a vegetação de cerrado. Os fazendeiros nos lombos de seus cavalos trazidos de Minas tinham que acompanhar de muito perto os cachorros e a caça para não os perder de vista dentro da vegetação fechada.

Surgiram as necessidades de ter um cavalo maior, com mais arranque e velocidade!

Surge o Mangalarga Versão Paulista

Para alcançar essas novas “qualidades”, os criadores foram buscar em outras raças essas características para imprimi-las no Mangalarga durante esse processo de “aprimoramento”. Puro Sangue Inglês, Árabe e Anglo-Árabe foram utilizados para esses fins.

Conseguiram em sucessivos cruzamentos obterem animais mais altos e com maior rapidez na transição da marcha para o galope franco.

Porém, a marcha mudou!

A versão paulista, mais trotador. O mineiro, mais marchador.

Independentemente dessa “preferência” ou necessidade paulista, cavalos do Sul de Minas continuaram sendo levados para São Paulo para continuar o aprimoramento da raça dentro da nova realidade. E isso continuou, mesmo depois da criação e separação das associações, e até os dias de hoje, tanto de um lado quanto do outro.

A divisão de uma raça – Mangalarga e Mangalarga Marchador

Apesar da raça Mangalarga ter nascido em Minas, foi em São Paulo que foi criada a primeira associação da raça. Seguindo uma tendência da época de valorização das raças nativas e necessidade de preservação, o governo brasileiro apoiou a criação de associações de criadores para regulamentar os cruzamentos e interferir na influência de raças internacionais e exóticas, e assim evitar perdas das vocações dos exemplares das raças a realidade brasileira. Surge a Associação dos Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga, em 1934, no Estado de São Paulo.

Tarde demais para unir criadores em torno de uma raça que já estava sofrendo intervenções definitivas desde o início do século anterior.

Os mineiros não concordaram com algumas definições de padrão da raça estabelecidas no estatuto da associação recém-criada. O ponto maior da discórdia foi em torno do andamento recomendado – Marcha Trotada, quando a Marcha Picada ou Batida eram predominantes nos animais mineiros e de suas preferências.

 Em 1949, pelo descontentamento mineiro, foi criada a associação que hoje vem a ser a atual Associação dos Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador. Foi acrescentada a denominação Marchador para diferenciar a raça da versão paulista e enfatizar a valorização da marcha “conforto” de tríplice apoio tão imprescindível para os criadores mineiros.


Fonte:

http://www.joseoswaldojunqueira.com.br/reportagem_2.html

http://www.harasgamarra.com.br/03mmxm.html

https://issuu.com/osvaldovruffino/docs/palestra_mangalarga_1

Formação do Mangalarga – Raul Almeida Prado

Anterior Santiago de Compostela - Entrevista Joselice Valiati
Próximo Que Cavalos Encontrei - India

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 216 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Textos Editoriais Leia e comente!

Quem Faz Viagem a Cavalo?

Para fazer esse tipo de viagem, antes, a pessoa tem de gostar de viajar. De todos os tipos de viagens. Tem de ter curiosidade sobre a vida, cultura e história em geral.

Textos Editoriais Leia e comente!

Ser Dono de um Cavalo – 10 Benefícios para a Saúde

Ter um cavalo pode ser muito emocionante e gratificante. Os principais benefícios de ter um cavalo são companheirismo, lazer e relaxamento, mas muitas pessoas muitas vezes não percebem os benefícios de saúde que podem ser obtidos ao se ter um cavalo.

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Dia de São Jorge – 23 de abril

Hoje é dia de homenagear São Jorge (275-303), o santo guerreiro que é representado montado em seu cavalo branco e que debaixo das patas de seu fiel ginete esmaga o dragão, significando a vitória contra o inimigo.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!