O Bom de Contar e Ouvir Estórias

O Bom de Contar e Ouvir Estórias

Foto: Jacira Omena

 

Por Jacira Omena*

 

Você é um contador de estórias?

 Gosto muito de contar estórias, e isso não vem de hoje. Minha mãe me falava que com três anos de idade eu já contava uma estória atrás da outra. 

Tenho recordações das rodas de estórias que fazíamos nos dias de chuva na fazenda quando não podíamos brincar ao ar livre. Faz parte da minha lembrança, também, os diversos livros de estórias que tínhamos na minha casa e que em algum momento ficavam em estado lastimável após passar de mão em mão. 

Os nossos disquinhos coloridos de coleções infantis quase que furavam de tanto rodar na nossa vitrolinha. 

A arte de contar história é milenar. E graças a ela temos informações que não poderiam ser transmitidas numa época que não existia papel e/ou ele era muito caro e a escrita exclusividade de alguns.

Geralmente, o dom de contá-las é natural, inato. Mas, requer prática, generosidade e disponibilidade. E antes de tudo, a pessoa que o tem deve achar que cada acontecimento é uma estória, importante para a vida, valiosa e, que portanto merece ser narrada. 

Do outro lado da moeda do contador de estória, está a face do que ouve e presta atenção a narrativa. É olhando no olho de quem o escuta, nas reações do seu rosto e movimento do corpo, que o Contador alimenta a sua verve, molha a sua garganta e segue adiante. 

Então, para cada contador, há de existir muitos “escutadores” de estórias. E o contador, por si só, costuma ser um grande observador e muitas vezes ouvidor na mesma proporção. 

Sempre sou grata aos que narram suas estórias. Pego-me pensando, sentindo e me inspirando. E percebo que isso também acontece com muitas pessoas. 

Aqui no Portal – VIAJAR A CAVALO – podemos presenciar o interesse dos visitantes em estórias e narrativas de experiências vivenciadas por outros que têm o mesmo tipo de paixão. 

Porque estou falando sobre isso? 

Da mesma forma que tenho me disposto a narrar as minhas viagens a cavalo, outras pessoas, que conheço e convido-as, estão fazendo a mesma coisa no Portal. 

Para minha grata surpresa, outras pessoas que não as conhecia, mostraram-se dispostas a compartilhar conosco suas histórias. Exemplo de Fernando Corradi – PEREGRINAÇÃO A CAVALO – texto sobre sua viagem a cavalo peregrina entre Pompéia e Santo Expedito, publicado na coluna – DIÁRIOS DE VIAGENS. Obrigada, Fernando!

 Gostaria de convidar outras pessoas para dividir conosco as suas histórias.

Pessoas que pelo Brasil a fora percorreram e continuam a percorrer trilhas no lombo do cavalo por inspirações diversas. 

Qualquer história! Contada de qualquer forma! 

Pode ter certeza que muitos ouvidos estarão prontos para escutar. E a sua história não terá mais um fim em si! 

Entre em contato através dos nossos canais de comunicação – FACEBOOK, EMAIL E CAIXAS DE COMENTÁRIOS – E conte a sua história. 

Anterior Quem Organiza as Viagens a Cavalo?
Próximo Brasil - Destino de Viagem a Cavalo

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 199 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Raças de Cavalos Leia e comente!

Marwari – O Cavalo Divino do Rajastão

Originados no nordeste da Índia, na fronteira com o Afeganistão, os Marwari eram considerados animais sagrados. Estavam acima da natureza e dos homens, inclusive dos Rathore Rajput, clã que dirigia toda a região.

Guias e tutoriais 2 Comentários

A Sela do Seu Cavalo Não está Adequada – Quais os Sinais?

Esse texto que segue, diferente dos outros, fala sobre os sinais, que você pode identificar facilmente, que a sela não está muito adequada ao seu cavalo.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Selas – Que tipos?

Que tipos de selas encontramos por aí?
Muitas, diria eu. Quase infinito os tipos de selas que encontramos em cada localidade onde se cavalga. Influências e materiais diversos. Cada uma com sua explicação histórica e de costumes.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!