A Origem do Cavalo Nordestino

A Origem do Cavalo Nordestino

O resgate de uma raça

Foto: Cedida por Luís Cléber

 

Por Jacira Omena*

 

Como prometido, começamos a abordar a questão do Cavalo Nordestino e as iniciativas em relação ao resgate e preservação dessa raça genuinamente brasileira.

 Através do texto de Luís Cleber – http://cavalonordestino.blogspot.com.br – um dos representantes da Associação Equestre e de Preservação do Cavalo Nordestino, conheceremos um pouco mais sobre as origens e formação genética dessa raça.

 Cavalo Nordestino faz parte da colonização do Brasil mais antiga, em toda região Nordeste, e ainda faz parte do dia a dia do povo dessa região.


“O Cavalo Nordestino é originado diretamente do Barbo também chamado de Bérbere ou Norte-Africano, cavalo de batalha utilizado pelos Turcos muçulmanos e que foram introduzidos no Brasil por Portugal no período colonial.

 O Cavalo Barbo, o Árabe e o Turquiano são consideradas raças tronco, uma vez que delas se originaram todas as outras raças que conhecemos atualmente.

 Alguns historiógrafos afirmam que o Brasil recebeu os primeiros cavalos vindos com outras espécies domésticas das ilhas da Madeira e das Canárias, em 1534, por iniciativa da esposa de Martin Afonso de Souza, Dona Ana Pimentel, posteriormente em 1535, Duarte Coelho inicia a sua criação em Pernambuco, mas a notícia concreta,através de documentos, da primeira introdução desta espécie em nosso País é dada por Tomé de Souza em 1549 recebendo cavalos de Cabo Verde.

 Coube a Garcia D’Ávila, senhor da Casa da Torre (Tatuapara), no litoral na Bahia, o trunfo de disseminar bovinos e equinos por todo interior do nordeste principalmente através do Rio São Francisco (Rio dos Currais) enfrentando condições difíceis de sobrevivência com escassez de água e alimentos, sendo esses de péssima qualidade, sem falar nos terrenos quentes e pedregosos, tocados sem ferradura, assim foi sendo forjado a única raça no mundo que mais possui características idênticas ao cavalo Berbere.”

 Nesse filme abaixo vemos um pouco mais sobre a história atual e antiga do Cavalo Nordestino!

Fonte: webtvunebjuazeiro

 Nesse outro filme vemos um espetacular exemplar da raça Berbere principal fornecedor de material genético para o Cavalo Nordestino.

Raphael Macek  

Fonte:http://cavalonordestino.blogspot.com.br

Anterior Peso do cavaleiro versus Saúde do cavalo!
Próximo Agenda de Programações - Viajaracavalo

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Viagem a Cavalo – Travessia no Pantanal/MS – Filme

O Pantanal é um mundo. E tive o prazer de percorrer uma ínfima parte deste território no lombo do cavalo pantaneiro vivenciando uma amostra dele.

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Manga-Larga Marchador do Brasil – O Livro

Idealizado por Marcelo Baptista de Oliveira, criador de Mangalarga Marchador, na Agro Maripá, o livro está a altura da dimensão da raça no país.

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Viajar a Cavalo, Mozart Brandão, é a sua Paixão!

Sugeri o seu nome ao outro editor do livro, por Mozart ser um verdadeiro representante da tradição do meu Nordeste em seu convívio ancestral com os cavalos, seus costumes e orgulho por sua terra.
Mozart é um entusiasta de viagens a cavalo, profundo conhecedor de cavalo e treinamento deles para todo tipo de expedição. Uma das pessoas mais preocupadas com o bem-estar animal que já conheci – Sua Jabulani e Hymalaia que os diga. Fez dessa paixão quase uma religião.

1 Comentário

  1. ademir leme silveira
    junho 22, 21:23 Reply
    Rapa, vice, conheci o cavalo nordestino por acaso pesquisando sobre cavalos, até que um dia me deparei com este animal maravilhoso,por suas características rusticas, por sua resistencia ,como so podia ser por ser nordestino, nao eu nao sou nordestino, porem meu cunhado cabra bom em tudo inclusive trabalhador, ele é de Jurema agreste pernambucano linda cidade que conheci e me apaixonei,pois é na minha segunda viagem a Jurema levei impressos algumas informaçoes sobre o cavalo nordestino, alias como todo brasileiro tratamos coisas nossas como se fossem inferiores aos outros, la chamam o coitado do cavalo nordestino de pé de pano. o pessoal de la nao da o devido valor ao animal,mas usam e abusam dele sem perceber talvez o quanto o animal trabalha sem dar muita despesa como seria ocaso de outras raças. temo mesmo que fazer ver as qualidades deste animal .... ainda pretendo comprar um ou mais exemplar e traze-lo ate aqui em Sao Paulo. amo o cavalo nordestino que tratado como ele merece é um lindo animal (cavalo)...obrigado por deixar eu fazer este comentario

Deixe um comentário