Paçoca de Charque & Tropeirismo

Paçoca de Charque & Tropeirismo

Foto: http://blogjp.jovempan.uol.com.br/

 

Por Jacira Omena*

 O Brasil é imenso e cheio de diversidade quando se fala de qualquer coisa. A diferença na história da ocupação das regiões alimenta uma pluralidade sem tamanho.

 E por falar em alimentação, comida e gastronomia, vamos entrar num assunto para lá de gostoso – Que comida você encontra durante suas viagens a cavalo e cavalgadas?

 Na última viagem a cavalo que fiz aqui no Brasil, eu fui para a região do Rio Grande do Sul, mais precisamente para São José dos Ausentes, onde desfrutei de uma culinária regional deliciosa. Por todos os lugares por onde andei e parei para comer, sempre fui surpreendida pelo sabor especial dos pratos tradicionais daquela localidade.

 E aí vem a história – São José dos Ausentes foi bastante influenciada pelo Tropeirismo, sendo parte da rota de comércio entre o Sul e o Sudeste na época do Brasil Colônia.

 A Paçoca de Charque, um dos alimentos típicos de quando os tropeiros vindos do Rio Grande do Sul cruzavam o estado do Rio Grande do Sul em direção a São Paulo, em meados do século XVIII.

 Nada melhor do que a Paçoca de Charque para representar parte dessa culinária cheia de influências.


 Vamos a Receita que pode ser feita na sua casa, substituindo o pilão pelo processador.

 Ingredientes

1kg de carne seca

1 maço de cheiro verde amarrado para cozinhar a carne

1 cebola roxa picada

1 xícara (chá) cheiro verde picado para refogar

1 pimenta vermelha fresca (dedo de moça)

1 xícara (chá) de óleo de milho

Aproximadamente 150g de farinha de mandioca crua – até dar o ponto

Utensílios

1 pilão de pau grande

1 mão de pilão pesada e arredondada nas pontas (socador)

1 panela de ferro

1 frigideira

Modo de preparo

Deixe a carne de molho no dia anterior. Retire da água e corte em cubos não muito grandes.

Cozinhe a carne com o maço de cheiro verde durante 20 minutos. A parte, pique a cebola, o cheiro verde e a pimenta vermelha sem as sementes. Coloque numa frigideira com uma colher (sopa) de óleo e refogue. Reserve.

Escorra bem a carne seca e frite numa panela de ferro com o óleo. Quando estiver bem frita jogue os temperos refogados e mexa. Desligue o fogo. Jogue um punhado de farinha de mandioca no pilão, alguns pedaços de carne seca misturada aos temperos, mais um punhado de farinha e vá pilando (socando) com energia.

A medida que a carne desfia e se mistura a farinha, coloque mais carne e mais farinha. Prove a consistência da paçoca para que não fique muito molhada nem muito seca. O ponto ideal é quando está úmida e bem desfiada.

Acompanhamentos: Arroz, feijão ou verdura cozida.


 

Fonte: G1,globo.com

Anterior Cavalo-Que Alimentação?
Próximo Vaqueiros de Heiniger

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Repouso na preparação física do cavalo atleta

Repouso na preparação física do cavalo, uma das cinco etapas que ainda incluem treinamento, manejo nutricional e controle sanitário.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Quem Faz Viagem a Cavalo?

Para fazer esse tipo de viagem, antes, a pessoa tem de gostar de viajar. De todos os tipos de viagens. Tem de ter curiosidade sobre a vida, cultura e história em geral.

Hyde Park Stables – Cavalgada pela Trilha dos Reis

São 5 milhas de trilha em torno do lago Serpentine. Hyde Park é sinônimo de cavalo há mais de 300 anos, desde que Henrique VII, da Casa Tudor, o usava para praticar caça. Rotten Row (Caminho do Rei) é o caminho mais famoso por ligar o palácio de Buckingham ao de Kensington ao sul do parque.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!