Viajar a Cavalo – Por quê?

De um lugar especial, sempre uma visão fantástica

Imagem: Tom Carvalho – Jacira Omena (modificada)

 

Por Jacira Omena*

Viajar a Cavalo, por que não?

O que tem de tão especial? 

“Quando você explora um lugar sob o lombo do cavalo vocês cavalga com gente do local, no estilo local de cavalgar e com cavalos de raças locais. Eles irão te mostrar o melhor da área para esse tipo de atividade sem os limites convencionais de estradas, caminhos e distâncias. É uma grande forma de viajar, porque você poderá aprender coisas que não são encontradas em guias. Você poderá fazer novos amigos ao encontrar outros viajantes que têm o mesmo tipo de interesse e experiência em viagens de aventura e ecoturismo. 

Vê um lugar em cima de um cavalo leva você para fora dos caminhos convencionais, para áreas de imensas belezas naturais onde a maioria das pessoas não se aventura a ir por serem remotas ou pouco conhecidas e visitadas, Isso faz a viagem muito especial. Quando você cavalga para explorar um lugar, você se desloca mais cuidadosamente pelo ambiente e isso faz com que você perceba mais as coisas do que se você caminhasse, pedalasse, ou fosse motorizado. Isso inclui cenários alucinantes, cultura local e vida selvagem.”

Fonte: Equitrekking 

“Os roteiros de viagens a cavalo contemplam todo tipo de programação e destinos. Isso quer dizer que existe um tipo de viagem para cada interesse, resistência e nível de equitação.”

Fonte: Jacira Omena – Viajar a Cavalo: Um Guia Passo a Passo 

“Quando se viaja desse modo as vias adquirem conotações distintas, são ocasiões para absorver os arredores, para pensar e sonhar. Então, as distâncias são distâncias. A distância é, novamente, uma dimensão de vida. As encostas íngremes renascem com seu significado dramático. Atravessar rios e córregos voltam a ser novamente desafios inquietantes. As terras selvagens adquirem as dimensões concretas e sua a solidão estremece tanto quanto suas nevascas e pântanos. A enormidade das montanhas nos devolve a humildade esquecida. Renascem velhos orgulhos, como o de sentir-se um cavaleiro em um bom cavalo, acostumados com as dificuldades do percurso, os temporais, a intensidade do sol, mas incansável no passo ou no galope curto.”

Fonte: Fabián Corral – prefácio – CABALGATA POR LOS ANDES ECUATORIANOS

Veja outras Perguntas e Respostas sobre Viajar a Cavalo – Click aqui!
Anterior Gastronomia de viagem - Entrevero
Próximo Cavalos Domesticados - Quantas vezes?

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Cavalos Domesticados – Quantas vezes?

Os cavalos têm sido utilizados pelos seres humanos durante os últimos 5 mil anos. Hoje é difícil saber quando e onde os nossos antepassados domesticaram cavalos pela primeira vez.

Gastronomia Leia e comente!

Coisas do Pantanal – Sopa Paraguaia

Sopa sólida? É assim a Sopa Paraguaia!
Influência do país vizinho na gastronomia do Pantanal.

Sela & Cia Leia e comente!

BOTAS – Equipamento ou Peça fashion?

Sei que há muito as botas transcenderam a sua função original de calçado e proteção para os pés durante a lida no campo. Da lida, foi para o esporte, que a propagou para a onda festiva, de moda e estilo nos grandes eventos equestres e rural.
No dia-a-dia, independente de uma grande fartura de modelos, estilos e materiais, continuam mantendo a principal função original – PROTEÇÃO.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!