Cavalos Domesticados – Quantas vezes?

A Origem do Cavalo Nosso de Cada Dia

Por José Luiz Jorge*

Os cavalos têm sido utilizados pelos seres humanos durante os últimos 5 mil anos. Hoje é difícil saber quando e onde os nossos antepassados domesticaram cavalos pela primeira vez.

Até agora, pensava-se que provavelmente os cavalos tivessem sido domesticados pela primeira vez há cerca de 5000 anos onde hoje fica a Ucrânia, Cazaquistão e Mongólia.Um grupo de investigadores suecos descobriu que a domesticação dos cavalos foi iniciada simultaneamente em vários lugares do mundo de forma independente.
Chegaram a esta conclusão ao analisar DNA de diferentes raças de cavalos domésticos, cavalos selvagens e fosseis de cavalos que viveram há mais de 5000 anos (antes da domesticação).

Em seguida os cavalos domésticos teriam sido progressivamente exportados para regiões vizinhas, até terem a distribuição dos dias de hoje.
Se esta hipótese estivesse correta, o DNA das diferentes raças modernas seria mais semelhante entre si, do que quando comparado com cavalos selvagens ou fósseis de cavalos antigos. Isto porque corresponderia a uma única “família”. Mais ainda, as diferenças entre as raças atuais de cavalos deveriam convergir para um DNA comum há cerca de 5000 anos.

Com efeito, isto é o que acontece com os porcos: parece que todos os porcos atuais descendem de um pequeno grupo domesticado há cerca de 10.000 anos.

Para surpresa dos cientistas, as diferenças de DNA entre as raças de cavalos atuais são semelhantes às diferenças encontradas entre estes e cavalos selvagens.

São até equivalentes às diferenças entre diversos fósseis de cavalos de uma época anterior à domesticação. Assim, a única conclusão possível é que os cavalos atuais não resultaram de um pequeno grupo domesticado há cerca de 5000 anos. Provavelmente, diferentes núcleos humanos domesticaram cavalos em diferentes regiões.

origem do cavalo

Foto: Google Images

Isso pode colocar em dúvida a teoria de que os cavalos na América vieram apenas na época dos colonizadores. Na verdade, no continente já haviam cavalos nativos há milhares de anos antes.
Os cavalos atuais resultaram destes diferentes núcleos. É fascinante observar como hoje em dia a arqueologia pode se beneficiar de avanços em biologia e como os avanços no conhecimento da genética ajudam a validar ou não teses de arqueólogos.
Você pode saber mais sobre esse tema no livro Psicologia do Cavalo volume 1. De Mauricio Hontang.


José Luiz Passos Jorge – Trabalha com cavalos há mais de 25 anos- é criador de Mangalarga Marchador em Mogi das Cruzes-SP – Associado à ABCCMM, autor dos livros “Conversando sobre Cavalos” Editora Rígel –Porto Alegre-RS e “Aprendendo com o Cavalo – Você pergunta e ele ensina” – pela mesma Editora (este em fase de lançamento).

Rancho São Miguel é um centro eqüestre, de informação e conhecimento sobre o cavalo e sua relação com o Homem.
 

Fontes: 

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/05/120508_misterio_cavalos_mansos_mv.shtml

https://www.mundodosanimais.pt/animais-de-quinta/civilizacao-domesticava-cavalos-ha-nove-mil-anos/

http://www.ufrgs.br/nuparq/news/cavalos-foram-domesticados-nas-estepes-entre-a-ucrania-e-o-cazaquistao

Anterior Viajar a Cavalo - Por quê?
Próximo Cavalgar - Com que roupa eu vou?

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Sela & Cia Leia e comente!

Check List da sua Mala

Uma lista infalível de todas as coisas que você não pode deixar de levar!
Alguns dias antes de sua viagem, passe um olho nela e veja o que você precisa providenciar.

Textos Editoriais Leia e comente!

O Seu Cavalo – Você Escolhe Como?

Como você escolhe o seu cavalo? Por cor? Beleza? Andamento?
Deixe o seu comentário!

Guias e tutoriais Leia e comente!

Ainda Sobre o Uso do Capacete

Independente da necessidade de obediência às leis vigentes em cada país e as regras de cada operadora, existe consenso quanto às vantagens do uso compulsório do capacete na prevenção de lesões mais graves em caso de queda e trauma craniano. Ele atuaria impedindo a penetração de objetos e na redução e difusão do impacto por áreas maiores e menos pontuais.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!