Respeitar a Natureza do Cavalo e seu Direito de Usar seu Instinto de Autopreservação

Respeitar a Natureza do Cavalo e seu Direito de Usar seu Instinto de Autopreservação

Por José Luiz Jorge*

 

 O horsemanship se apoia em alguns conceitos chave:

– O uso do “Feeling” (capacidade de ler o cavalo e sentir o que o cavalo sente a cada momento no seu relacionamento diário conosco), alguma coisa como ver o mundo como se fosse o Cavalo.

O tempo, que é sempre o do cavalo e não o do nosso relógio. Cada cavalo tem seu próprio tempo de resposta.

– E o “Balance” que é quando solicitamos alguma coisa a eles. Nesse momento entram os conceitos de pressão e alívio, sempre destacando que o cavalo aprende quando se alivia a pressão no exato instante em que ele faz menção de responder “corretamente” o que lhe pedimos.

Na nossa vivência esses conceitos servem como balizadores do manejo, criação e do treinamento.

Esse texto se dedica aos dois primeiros desses conceitos. 

Começo por eles porque são como separadores de campo, a partir da nossa atitude diante deles, tudo o mais segue uma ou outra direção.

Assim, bem ao espírito de uma prosa na roda de mate, começo recuperando a ideia central da filosofia chamada de “Horsemanship”: uso da nossa intuição (“feeling”) como ferramental para ler, observar, sentir o cavalo, o esforço de tentar ver o nosso trabalho com eles, do ponto de vista deles, o que faz sentido na mente do cavalo?

O segundo ponto deste tripé é o tempo, cada cavalo tem o seu tempo de resposta, de reação, fuga, aceitação que nos é dada generosamente quando ele pode sentir-se seguro ao nosso lado e que pode confiar que não colocaremos sua segurança em risco; por fim o terceiro tripé é o do pedido de ação, o “balance”.

Foto: Jacira Omena

Foto: Jacira Omena

E esse tripé desta filosofia de trabalho está alicerçado no conceito que chamei separador de campos: Respeitar a Natureza do Cavalo e Reconhecer o Direito do Cavalo usar sempre seu Instinto de Preservação diante de nós.

Sei que há alguns que chegam a dizer que isso seria uma “frescura”. Mas não é.

O Cavalo na Natureza é um animal predado. Ele serve de alimento a predadores. Algumas diferenças básicas até na morfologia definem essa condição. Por exemplo, a posição dos olhos na lateral da cabeça, oblíquos, e não frontais como o dos canídeos, dos felinos… e os nossos.

Foto: Jacira Omena

Foto: Jacira Omena

Isso separa os campos. Nós, por tudo que somos e fazemos, do que nos alimentamos, pela adrenalina que exalamos, com o mesmo cheiro que a dos predadores na hora do ataque, estamos classificados, na memória olfativa do Cavalo que ele traz nos genes da espécie, como uma ameaça.

Se quisermos construir algo duradouro e obter do Cavalo não uma obediência pelo medo, mas uma adesão voluntária, para que ele dê o melhor das suas forças no trabalho, nas provas, devemos criar a condição para ele fazer a melhor escolha, para o que é necessário (ou certo) ficar fácil e as respostas naturais de medo, fuga e autodefesa (que seriam erradas do nosso ponto de vista) ficarem difíceis.
É por essa razão que ao sinalizar esse caminho, que faz mais sentido na mente do Cavalo, que reforçamos sempre que o cavalo aprende no exato instante que aliviamos a pressão, cavalos na sua natureza querem conforto mental e segurança e o alivio da pressão dá essa condição natural a eles.

Com essa simples compreensão, no tempo de cada indivíduo, eles entendem que ao nosso lado não há ameaça e risco.

Quando ao contrário queremos mostrar quem manda, ou faça isso senão lhe acontece aquilo, (peias, chicotadas) o primeiro que conseguimos fazer é confirmar a eles que tem toda razão em sentir medo e querer fugir de perto de nós, e é isso o que todo treinador deve evitar. Queremos e aqui fazemos isso, ter o cavalo voluntariamente ao nosso lado, como parceiros para tudo, os encilhamos soltos pois ficam junto de nós todo o tempo.

É justamente por esse caminho que reabilitamos mentalmente cavalos maltratados que incorporaram a necessidade de autodefesa, as reações naturais de morder, escoicear e manotar. É pelo conjunto desse posicionamento inicial, que comunicamos que não precisam disso quando estão com a gente.

Parece simples, mas não é tão simples, principalmente se nos deparamos com um “taura” que desde cedo precisou aprender a defender-se.

Mas, os três pilares básicos do “Horsemanship”, (observar, respeitar o tempo, saber pedir e aliviar a pressão), junto com o conceito central de respeito à natureza do Cavalo como animal de fuga, que pode exercer seu direito de autodefesa, até compreender que não precisa usá-lo quando estiver conosco, nos abrem um imenso caminho seguro e afirmativo para treinar nossos Cavalos.

 

Anterior Frutos do mar é tradição na culinária gaúcha do extremo sul do Brasil
Próximo Foto de Verdade é Foto Impressa!

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Histórias e Tradições Leia e comente!

Hyde Park Stables – Cavalgada pela Trilha dos Reis

São 5 milhas de trilha em torno do lago Serpentine. Hyde Park é sinônimo de cavalo há mais de 300 anos, desde que Henrique VII, da Casa Tudor, o usava para praticar caça. Rotten Row (Caminho do Rei) é o caminho mais famoso por ligar o palácio de Buckingham ao de Kensington ao sul do parque.

Ações Sociais Leia e comente!

Associação de Equoterapia Vassoural – AEV

Associação de Equoterapia Vassoural (AEV) ocupa espaço destinado as AÇÕES SOCIAIS através do cavalo.
Conheça um pouco mais sobre essa instituição e a Equoterapia.

Cavalos de Marcha – Veículos Atuais

Montar em um cavalo legítimo de marcha é poder desfrutar de um fascinante prazer nos momentos de lazer em passeios nos finais de semanas e feriados, cavalgadas ecológicas, turismo equestre, equoterapia, enduros competitivos, serviços de campo e gerenciamento nas fazendas de pecuária.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!