Tipos de Embocadura

Tipos de Embocadura

Foto: Jacira Omena

 

 Por Lúcio Sérgio Andrade*

 

O mal uso de embocaduras talvez seja a principal causa do cavalo mal educado.

 Basicamente, são apenas três tipos de embocaduras, cada uma tendo uma gama enorme de modelos que variam no tipo de material e modo de ação.

 BRIDÃO

 A embocadura inicial é o bridão. O modo de ação é a pressão principal sobre as comissuras labiais. Esta ação gera uma reação do cavalo, a  elevação  da cabeça, como forma de amenizar o incômodo da pressão nas comissuras labiais, uma região de sensibilidade desenvolvida. Obviamente, quanto mais discretos forem os comandos de rédeas acionando o bridão, menor será a reação de elevar a cabeça. Uma pressão complementar do bridão ocorre nas barras e sobre a lingua.  

Em raças brasileiras de cavalos de marcha o bridão vem sendo utilizado de forma errada, quanto ao tipo de rédea (o correto é a rédea direta, conhecida como rédea de abertura), a força de pressão no comando de rédeas, no excessivo tempo de uso. No Método LSA de Adestramento, o bridão é praticamente uma embocadura de transição, como forma de preparar a boca do cavalo para a introdução do freio.

 De acordo com o grau de  severidade da ação, o bridão pode ser brando, moderado, severo. Quanto menos espesso o bocal, mais severa a ação. As referencias de medidas são:

Bocal até 1,0cm de espessura – severo
Bocal entre 1,0 a 2,0 cm – moderado
Bocal acima de 2,0cm – brando.

 Existe uma vasta gama de modelos de bridões. Devem ser escolhidos de acordo com a finalidade de uso do cavalo. Os mais comuns são os bridões de olhal redondo, de olhal em D e em D’agulha. O material mais comumente utilizado é o aço inox, principalmente pela sua durabilidade. O ferro enferruja. O cobre é um bom material, pode ser usado em combinação com o aço inox. É uma material que estimula a salivação.

Foto: Marchadorweb

Foto: MarchadorWeb

Bridão modelo D Agulha, o mais recomendado para cavalos de marcha. 

Como regra geral, visando não prolongar em demasia o tempo de uso do bridão, recomendo iniciar a doma de sela com o bridão de ação moderado, modelo de olhal em D’agulha. Este tipo de olhal dispensa o uso de borrachas protetoras e as hastes ajudam no apoio. Em alguns cavalos de boca sensível, o primeiro bridão deverá ser o de ação branda. Raramente, o primeiro bridão será o de ação severa.

 FREIO-BRIDÃO 

O freio-bridão é uma embocadura chamada de transição entre o bridão e o freio. O bocal é articulado, atuando como um bridão, pressionando as comissuras labiais. Mas as hastes são de freio, tipo alavancas. Mas o efeito alavanca não atua sobre o palato, porque o bocal não é curvo. As alavancas atuam sobre a pressão da barbela no queixo. Assim, um freio-bridão atua sobre dois pontos principais de controle – comissuras labiais e queixo.

 Somente em alguns casos recomenda-se o uso do freio-bridão, na transição do bridão para o freio. Sua ação de efeitos duplos tende a melhorar a flexão da nuca. Mas em mãos brutas, esta embocadura faz estragos graves. O excesso de pressão da barbela no queixo tanto poderá “encapotar” a cabeça, como também manter a cabeça em postura inadequada de “ponteira”, não corrigindo em nada a açao elevatória do bridão. O freio sim, este exerce ação principal de baixar a cabeça do animal, ao estimular a flexão da nuca.

Foto: MarchadorWeb

Foto: MarchadorWeb

Freio-bridão. Notar o bocal articulado de um bridão e as hastes de um freio convencional

 FREIO 

O freio é a embocadura profissional, aquela que realmente tem condições de ajudar o treinador a explorar o máximo de potencial do cavalo funcional O freio exerce ação complexa, de efeitos múltiplos. O bocal pressiona as barras; a ponte , ou passador de língua (curva do bocal) atua no palato; a barbela atua no queixo. O segredo do uso correto do freio está no ajuste da barbela. Deve ser ajustada com a folga da largura do dedo indicador. Assim, quando as rédeas são acionadas, o bocal encosta no palato e a barbela pressiona o queixo, travando o bocal. Se a barbela estiver muito apertada, o bocal “risca” o palato, causando desconforto e até mesmo ferimento. O terceiro efeito do freio, o principal, é o chamado efeito alavanca. As rédeas puxam as hastes (pernas ou cãimbras), para travar o bocal no palato. 

Saber escolher um freio é uma ciência. O modo de ação de suas partes é variável. Por exemplo, o bocal pode ser brando e as hastes severas; o bocal pode ser severo, mas as hastes são brandas. O modo de ação do freio é mais complexo do que o bridão, porque atua sobre três pontos de controle, enquanto o bridão atua basicamente sobre um único ponto de controle. Assim como o bridão, o freio também pode apresentar diferentes graus de severidade em sua ação: branda, moderada, severa. 

Foto: MarchadorWeb

Foto: MarchadorWeb

As referencias de medidas são:

 Haste inferior –  até duas vezes o comprimento da haste superior – efeito alavanca varia do brando a moderado. Ao contrário, quando exceder a duas vezes o comprimento da haste superior, o efeito alavanca será severo. A inclinação ideal da haste é de 45 graus. Quando menos inclinada e mais longa, mais severo será o efeito alavanca.

Altura da ponte, ou passador de língua ( curva do bocal ) abaixo de 2,0cm – ação branda, de 2,0 a 3,5cm, ação moderada; acima de 3,5cm, ação severa.

Formato da curva do bocal – em V, tende a ser mais severo do que em forma de U. Em meia-lua é o mais brando. Na verdade, o formato que melhor se encaixa no palato é o formato em U. O correto é medir a largura e altura do palato para escolher o freio de bocal correto no encaixe.

Espessura do bocal – até 1,0cm, ação severa; entre 1,0 a 1,5cm, ação moderada; acima de 1,5cm ação branda

Espessura da barbela – quando mais fina a barbela, mais severa será a sua ação. 


*Lúcio Sérgio de Andrade 

Contatos[email protected]

Para compra de livros impressos e digitais, CD, DVD´s, Cursos on line,equipamentos para doma e treinamento de cavalos marchadores: 

http://www.equicenterpublicacoes.com.br 

Anterior A Rota Comercial - Tropeirismo
Próximo 2ª Festa Literária de Rio Novo

Sobre o Autor

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Minhas Quedas do Cavalo

Minhas quedas – Não vou detalhar todas, muitas tolas e sem consequências.
Levei queda dentro de rio, dentro do mar, terra fofa, terra dura, rua calçada, asfalto, etc.
Algumas me causaram prejuízos materiais significantes, (celulares, óculos, chave eletrônica de carro… Bem que foram perdas materiais).
Outras me levaram ao hospital.
Outras o cavalo teve que levar pontos em cortes profundos.
O leitor pode imaginar, esse cara é ruim de cavalo! Não sabe montar!

Incitatus – O Cavalo-Senador do Imperador

Incitatus, o cavalo-senador do imperador Calígula, tinha ficha limpa e não fraudou o Orçamento

Sem Embocaduras – Bitless Bridle

Um assunto que muito me interessa, desde que há alguns meses passei por um processo bem-sucedido de retirada de embocadura com o meu cavalo.

2 Comentários

  1. Cezar Dimas
    junho 09, 10:36 Reply
    Vivo testando embocaduras em meus animais, é de grande ajuda esplicações como essas, gostei muito do artigo.
    • Jacira Omena
      junho 15, 08:29 Reply
      Cezar, Lúcio Andrade parceiro de viajaracavalo.com.br e autor desse texto é especialista no assunto, e sempre está administrando cursos pelo Brasil. No Facebook sempre divulgo os seus cursos sobre esse e outros assuntos que ele aborda. Hoje terá um curso dele em Maceió-AL. Fique atento as nossas divulgações.

Deixe um comentário