Vamos Falar Sobre Segurança!

Vamos Falar Sobre Segurança!

Colagem: Jacira Omena

 

Por Jacira Omena*

 

Sou uma pessoa que desde muito cedo estive envolvida com o ambiente rural, com a lida do gado e consequentemente com cavalos.

 Em vários momentos dessa longa história de vida, fui atriz principal de vários acidentes ocorridos durante cavalgadas e também testemunha privilegiada de muitos.

 Ainda hoje tenho muitas cicatrizes pelo corpo que me fazem recordar de cada um deles, mas o fato de nenhum deles terem alcançado muita gravidade, fez com que eu, de certa forma, tenha adquirido um excesso de confiança em relação a essas questões.

 Passei da minha vida de fazenda para praticar um tipo de viagem que em determinadas situações e destinos escolhidos envolvem diferentes níveis de riscos.

 Ao longo dos anos, tenho recebido notícias de acidentes ocorridos com pessoas que em diferentes partes do mundo, ao tentar usufruir de um passeio a cavalo, sofreram acidentes.

Os acidentes são de várias modalidades e por vezes justificados por diversas situações de falta de previdência e também de simples fatalidade.

 Na internet, nas revistas e periódicos sempre somos alertados para o uso de capacete mesmo durante os simples passeios de cavalos, para todos os cavaleiros e amazonas com diferentes níveis de experiência.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

As pessoas que acompanham nossas publicações aqui no portal sabem que não uso capacete, já expliquei em parte as minhas razões, mas recomendo muito o uso dele para todos os praticantes de cavalgadas e viagens a cavalo.

 Porém, tenho algumas considerações a fazer a respeito dessa tão intensa propaganda pelo uso do capacete.

 E algumas perguntas eu faço:

 Por que não propagar o uso do colete?

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Por que não propagar o uso do estribo de segurança?

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Digo isso, porque, os acidentes com fratura de vértebra e aqueles onde as pessoas são arrastadas pelo cavalo com um dos pés preso no estribo são os mais frequentes em todo o mundo.

Fatalidade?

 Em alguns casos, sim. Quando ocorrem óbitos ou lesões graves mesmo com os cuidados e usos desses acessórios e equipamentos.

 Não, quando óbitos e lesões graves ocorrem quando nenhum cuidado preventivo foi tomado.

 Então, vamos falar sério!

 Usar equipamento e acessórios de segurança diminui o prazer em cavalgar e viajar a cavalo?

 Coloco aqui dois temas a serem desenvolvidos em futuras publicações:

 – Uso de colete de proteção.

Uso de estribo de segurança.

 


Aguardem futuras publicações sobre esses temas!

 
Anterior Paso Fino - Série 3
Próximo Volto a cavalgar em Aparados da Serra

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Textos Editoriais Leia e comente!

Qual o Comprimento Certo do Estribo?

Qual a importância do estribo para um bom desempenho em sua cavalgada ou viagem a cavalo?
Muitas vezes em um primeiro momento e em algumas situações, parece que podemos deixar esse “detalhe” de lado e confiar no olho de quem selou o cavalo, principalmente quando não usamos o nosso.
Só demos a devida importância a esse “detalhe” quando nos “falta perna” em um movimento mais brusco, ou quando ao final de um tempo cavalgando, sentimos um desconforto nas articulações do joelho, tornozelo e coluna, e alguma contração muscular.

Guias e tutoriais Leia e comente!

Viajar a Cavalo? Prepare-se para as fotos!

Heleno Clemente num texto sensacional sobre fotografia e viagens a cavalo. Como aproveitar ao máximo as oportunidades de registrar todos os momentos e torná-los inesquecíveis!

História, Arte & Literatura Leia e comente!

Cavalo Crioulo: Gato e Mancha – 90 anos

Um dos grandes feitos promovidos pelo Cavalo Crioulo completou 90 anos. Em 1925, o suíço Aimé Félix Tschiffely iniciou uma peregrinação com dois animais da raça.

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!