Viajes a Caballo

Viajes a Caballo

Nota da Editora:

“Encontrei esse livro há mais de um ano. Fui apresentada a ele por Dominik Marty e Tammy Robaina, amigos da Patagônia Argentina. E fiquei impressionada com a extensa informação e detalhamento dos tópicos abordados, jamais encontrado em outros livros que tive em mãos. Procurei muito até conseguir encontrar o meu exemplar em uma livraria espanhola. Feliz em ser a proprietária de um exemplar de “Técnicas de Viagens a Cavalo”, por Émile Brager.” 

Jacira Omena


 Émile Brager é um cavaleiro de longo curso que escreveu uma “bíblia” para todos os cavaleiros. Ele cruzou o continente americano. Seus companheiros incluem Boy, Ma Mie, Sócrates e Marius.

Nascido em 1951, em Cévennes – França, Emile Brager foi muito cedo fascinado por equinos (cavalos, mulas, burros). Em 1970, tornou-se um estagiário em um centro equestre, mas ficou desiludido com a experiência tanto em relação ao nível de ensinamentos como também com as relações humanas. Ele decidiu encontrar um outro trabalho que iria deixá-lo com tempo suficiente para montar.


Em 1975, ele comprou seu primeiro cavalo: Gamin. Um garanhão que ele chama de teimoso. 

Com Marie Roesle, sua esposa, organizava caminhadas de verão com os amigos. Além disso, decidiu completar sua formação equestre num clube hípico. Ele adquiriu diplomas, mas permanece frustrado: “Nos clubes, você aprende a montar mas não aprende a colocar uma ferradura, a cuidar do animal, a escolher uma sela, a costurar o couro, a saber alimentar o animal, nem a compreender o cavalo. Então fui aprender trabalhando.”

Em 1979, ele partiu com Marie Roesle para sua primeira viagem pela França, Espanha e Portugal por 14 meses!

“Esta viagem abre as portas de um estilo de vida rico espaço, silêncio, encontros, natureza e esforço compartilhado. Assim que a viagem terminou, decidimos começar uma outra maior, mais bonita e mais longa. “

Emile Brager começou a preparar a expedição “Caravan por um continente”. Ele economiza, prepara cavalos e cães, equipamentos, aprende a colocar a ferradura e também faz a formação em primeiros socorros veterinários.

Em 1981, ele conheceu Stéphane Bigo e cria com ele, Sylvie e Christian Lile, Frédéric Blanc, a Associação de Cavaleiros de Longo Curso.

 Em 1984, ele seguiu  por quatro anos pelas pistas do continente americano com Mary Roesle, quatro cavalos e dois cães. “Alcançamos um nível raro de simbiose e realização. Estamos em harmonia com o nosso modo de vida.”

Quando eles retornam, em 1988, o cotidiano parisiense é difícil: “Notamos que a França não tinha mais espaço virgem, onde o olhar cai, vemos a marca indelével da presença humana neste país. Está cheio. Temos falta de ar, espaço e silêncio “. (Qualquer cavaleiro que já fez excursões, mesmo por alguns dias, certamente irá se lembrar desse sentimento de opressão, quando regressa a “civilização”, imagine, depois de 4 anos !!!)
Foi depois desses quatro anos de viagem que Emile começou a escrever uma tese sobre o esforço e adaptação dos cavalos. INRA pretendia publicar este arquivo por capítulos, mas Emile e Marie preferem formato de livro.

Assim Emile escreveu um resumo de seu conhecimento de cavaleiro viajante, as famosas “Técnicas de viagem a cavalo”.

Uma Bíblia que não pode faltar nem na estante dos cavaleiros aprendizes e muito menos nas dos de longo curso!


Fonte: www.chevalmanche.canalblog.com

www.emile-brager.fr 

Anterior Os Cavalos da Gruta de Lascaux
Próximo Adequação de Sela e Condutores Acima do Peso

Sobre o Autor

Jacira Omena
Jacira Omena 193 posts

Viajante e Escritora - Escreveu o Livro - Viajar a Cavalo:Um Guia Passo a Passo. "Viajo pelo mundo a cavalo sempre a procura de algo novo e surpreendente, e com grande frequência sou bem-sucedida nessa busca!

*O conteúdo dessa matéria é de inteira responsabilidade do seu autor, não tendo a Viajar a Cavalo qualquer responsabilidade sobre o teor dessas informações.

Você também pode gostar de

Guias e tutoriais 2 Comentários

Cavalhadas no Nordeste (Alagoas): uma tradição que resiste ao tempo

Como sabemos são muitas as tradições que envolvem cavalos e cavaleiros, algumas delas vindas de épocas medievais e até hoje muito presentes em festas populares, como é o caso das Vaquejadas e Cavalhadas. O testemunho dos primeiros cronistas aponta as Cavalhadas no Nordeste como os primeiros acontecimentos folclóricos a cavalo, no Brasil.

Raças de Cavalos Leia e comente!

Crioulo – O Cavalo da América

Através do convívio diário durante essas viagens, desenvolvi a admiração pelo Cavalo Crioulo.
Meu primeiro contato com eles foi durante uma das primeiras viagens a cavalo que fiz, na região do Parque Nacional Torre del Paine, Chile. Atravessei terrenos difíceis, um dia atrás do outro, sem que o meu cavalo arrefece-se um só momento. Chamou a minha atenção, desde o princípio, a segurança dos seus passos, indiferente, entre subidas, descidas e caminhos pedregosos estreitos. Adquiri uma confiança cega nesse cavalo!

Textos Editoriais Leia e comente!

Como Saber o Tamanho do Seu Capacete?

Decidiu que usar capacete é importante!
Vai comprar um?
Uma dica sobre como descobrir o número do seu capacete!

Leia e comente!

Nenhum Comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar esse post!